quarta-feira, março 02, 2005

A ilusão da estabilidade (2)


Sócrates não saiu vencedor das eleições apenas por a coligação as ter perdido. Sabemos que o demérito é essencial, tem sido assim. Guterres ganhou assim, Durão Barroso também. Mas o demérito não justifica todos os votos e, em especial nestas eleições, não justifica a baixa significativa da abstenção. Sócrates teve a maioria absoluta por voltar a dar a ilusão da estabilidade.

Durão Barroso surpreendeu-me inicialmente pela positiva. Avançaram com várias medidas, sem mostrarem receio da contestação. Mas aos poucos, as propostas foram-se suavizando, ficando pelo caminho ou adiadas para um futuro incerto. As razões para isso serão muitas, seguramente. Durão (José Barroso) apenas conseguiu ter ao seu lado um elenco de segundas figuras, por outro lado, as dificuldades de efectuar mudanças são bem conhecidas (partidos, sindicatos, grupos de pressão, constituição, PR, comunicação social, etc.). Durão chegou a dizer que não tinha medo de perder eleições, mas então, se era assim, porque não foi mais firme no que queria fazer?

Os últimos meses com Santana Lopes foram paradoxais. Por uma lado, as infantilidades sucederam-se. Começaram com o Presidente da República, cuja actuação deu azo a que toda a oposição (que se lhe juntaram a comunicação social e parte do PSD) fizesse uma contínua campanha de derrube do odiado Santana. Mas o executivo deste avaliou mal o tamanho das próprias pernas, e pensou ter estofo para aguentar com tudo e com todos. E manteve-se envolvido em constantes guerrinhas, que apenas os fragilizavam cada vez mais face ao eleitorado. Sampaio mostrou os seus dotes no xadrez, e demitiu o governo (a maioria na assembleia que o apoiava) no momento ideal.

O paradoxo acontece porque o executivo de Santana era incomparavelmente melhor que o de Durão Barroso. E também porque mostrava uma energia renovada para avançar com novas medidas de coragem (apesar de pensadas de forma algod efeituosa). Mas era tarde demais, a vitória já tinha sido dada ao PS.

MC

|

1 Comments:

Blogger Menina_marota said...

Pois... o dedo na ferida... a quem interessou o derrube do Governo?

Terá sido por causa dessas infantilidades, ou pelo contrário, estaria a fazer alguma "mossa", a quem não interessava fazer?

E o PR, serviu os interesses de quem?

Os meus não foram... de certeza...

Jinho :-)

http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/

11:17 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home