segunda-feira, agosto 09, 2004

A Escolha de Jorge Nuno

A 23 de Junho de 2004, Luigi del Neri foi apresentado nas Antas como o novo treinador do F. C. Porto. Na altura, Pinto da Costa, presidente da colectividade, fez as seguintes declarações sobre a contratação do técnico italiano:

«Ninguém me aconselhou. Foi uma escolha minha. Falei com alguns amigos do AC Milan, da Juventus e do Inter e, quando lhes perguntei qual era o melhor treinador italiano, todos, sem excepção, me apontaram o nome de Luigi Del Neri»…«Falámos sobre a filosofia e conceitos do FC Porto e ele demonstrou que conhecia bem o clube. Ao fim de duas ou três horas, tive a certeza que falava com o novo treinador do FC Porto. Estamos sintonizados sobre aquilo que queremos»

Na madrugada de Sábado Luigi Del Neri foi subitamente afastado do comando técnico da equipa, a cerca de duas semanas do início oficial da época futebolística. Não vou comentar sobre os méritos da decisão pois não tenho dados suficientes para me pronunciar. Já o tratamento que os meios de comunicação social em geral deram à notícia merece algumas considerações. A saída de Del Neri foi apresentada durante os vários telejornais a meio do segmento desportivo, nalguns até depois de notícias menores sobre os treinos do Sport Lisboa e Benfica . Aquando da sua apresentação, esta informação foi transmitida num tom formal e sem comentários, contrastando com aquilo que é o padrão na televisão portuguesa. Foi-lhe dado o mesmo tratamento que seria dado a algo do género “Director de Marketing da Transgás afastado”. Como se fosse muito natural uma equipa profissional, campeã europeia de futebol, dispensar o treinador a poucos dias do início das competições. Não encontrei na imprensa desportiva ou geral artigos de opinião e editoriais encartados sobre esta repentina saída.

Não é difícil imaginar qual seria o tratamento noticioso se os técnicos do S. L. Benfica ou do Sporting tivessem tido o mesmo destino. Quantas “notícias” surgiriam dando conta da instabilidade no balneário, da falta de condições de trabalho, da inépcia e inabilidade dos dirigentes para lidarem com o competente treinador? Quantos editoriais e comentários com soluções de algibeira e críticas ferozes à falta de visão estratégica e amadorismo?

A dualidade com que a imprensa portuguesa trata Pinto da Costa e por acréscimo o F. C. Porto e os seus concorrentes é por demais evidente, sendo apenas a saída de Del Neri o episódio mais visível por estes dias. Quando Pinto da Costa acerta, é um homem de visão que revoluciona o futebol nacional. Quando erra, como errou já muitas vezes, parece ter estatuto de inimputável.

JPE
|

2 Comments:

Blogger Gabriel said...

De facto, fiquei admirado por a notícia não aparecer mais cedo nos alinhamentos dos telejornais de Sábado...
Parabénsa todos pelo novo blog.

10:45 da manhã  
Blogger Transeunte said...

Pois deve ser por causa disso que o FCP ganhou o que ganhou nos últimos 20 anos...

Em relação aos "outros" e a dualidades, re-lembro que Vitor Baia qd regressou ao FCP estava acabado. E então Mantorras não está? A lesão é identica. Como vêm, a dualidade não é unica so temas FCP...

De resto, no final de época, veremos se JNPC teve ou não razão... ;)

PS- Espero siceramente que Matorras recupere. É um jogador d egrande talento.

11:31 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home